A Batalha de Adrianopla e o fim do Império Romano do Ocidente

0
270

Por: Abílio Travessas

Os povos bárbaros que invadiram o Império Romano nos séculos IV e V, sabia-os de cor com os Visigodos à frente, não tivessem eles chegado à Península Ibérica e aqui contribuíssem para aquilo que somos, menos os suevos que se instalaram principalmente no noroeste. Mas Vândalos, que saquearam Roma em 455, Ostrogodos, também Godos, que se instalaram na Itália e Alamanos (“designação que reúne diversos povos – all man” segundo J G Monteiro, Grandes Conflitos da História da Europa) também incorporavam estas memórias. Importantes para a história da Europa foram ainda os Francos, os Anglos e os Saxões, além dos Escotos que deram origem à actual Escócia.

O Império Romano atingira a sua dimensão máxima com Trajano, e foi “o maior império de que há memória na longa história do mundo ocidental”, “e a maior máquina militar que jamais existiu à superfície da Terra”(Grandes Conflitos…). A crise do Império começa em meados do séc. III com os povos que se encontravam nos limites (limes), Germanos, a norte e Persas a leste a pressionar, levando à desorganização das estruturas políticas, económicas e sociais. Atraídos pelas riquezas e empurrados pela fome, devastaram as províncias romanas das actuais Turquia, Macedónia e Grécia. Importante na inclinação das forças para o lado bárbaro – “as grandes invasões foram um processo longo e demorado”- foi a Batalha de Adrianopla, actual Edirne, importante cidade da Turquia. Era o ano 378 da nossa era (AD).

Fritigerno comandava as tropas visigodas auxiliado por grupos de Ostrogodos, Hunos (lembram-se de Átila, o Terror de Deus?) e Alanos. Os Romanos tinham o comando de Valente, Imperador do Oriente. Como noutras batalhas houve pormenores importantes (pormaiores ?) que decidiram:

– Valente precipita-se no combate por má informação dos seus batedores, que não detectaram o corpo de cavalaria dos Ostrogodos e Alanos, idos em busca de alimento e forragem, pelo que avaliaram as forças inimigas em 10 000 soldados;

– não esperou pelas tropas de Graciano, sobrinho, e subestimou a fadiga, fome e sede – estamos em Agosto – dos seus homens, à volta de 15 000, após uma caminhada de cerca de 13 km, debaixo de calor sufocante. Revelou falta de comando e de capacidade par impor a disciplina.

Os Visigodos, acampados no alto duma pequena colina, dispuseram as suas carroças de nómadas, milhares, em círculo, com as famílias e bens no interior. Surpreendido pelo exército romano, Fritigerno entabula negociações a pretexto de querer a paz, esperando a chegada da cavalaria ostrogoda e alana; manda atear fogo às matas em redor aproveitando vento favorável o que aumentou o calor e a confusão no inimigo.

Como na Batalha de Aljubarrota em que os cavaleiros franceses, subestimando os portugueses, atacaram sem ordem do rei castelhano, aqui foram as unidades avançadas da cavalaria romana a cometer o mesmo erro, sem o apoio do restante exército. Rechaçados, foram empurrados em desordem contra os companheiros que aguardavam ordem de ataque. E a batalha decidiu-se com a entrada em combate da cavalaria bárbara não detectada pelos espiões romanos.

Segundo Amiano Marcelino, contemporâneo, “nenhuma batalha da nossa história, excepto Canas, constituiu um tamanho desastre…”. Valente morreu na batalha; a  derrota permitiu a abertura das fronteiras do Império permitindo migrações massivas sem oposição dos Romanos. Edward Gibbon (Declínio e Queda do Império Romano, Difusão Cultural): “as grandes invasões começaram verdadeiramente a partir desta batalha”. O Império Romano do Ocidente cai em 476 com Odoacro a depor Rómulo Augusto, retirando-lhe as insígnias imperiais e enviando-as a Constantino, Imperador do Oriente Bizantino. O Ocidente  torna-se Bárbaro…

Todos os impérios acabam. Uns duram pouco, outros pensam que durarão mil anos como o III Reich. “O império dos Estados Unidos vai acabar até 2020”- Johan Galtung, fundador da disciplina de Estudos da Paz…diz que já só três países estão dispostos a fazer o trabalho por Washington: Reino Unido, Dinamarca e Noruega- in Público, 24Nov17.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here