Assinalam-se hoje 132 anos do nascimento de Aquilino Ribeiro

0
406

Aquilino Machado – neto do mestre Aquilino Ribeiro, este vulto maior da nossa literatura, nascido na nossa região, mais concretamente no Carregal, concelho de Sernancelhe, faz hoje 132 anos – publicou hoje na sua página do facebook um post que aqui reproduzimos na íntegra:

«EM 13 DE SETEMBRO DE 1885 nascia no Carregal, concelho de Sernancelhe, o meu avô Aquilino. Passaram 132 anos e como é natural a sua vida terminou porque o tempo derrota sempre o edifício físico que ampara a força da nossa razão.

A paisagem que viu nascer Aquilino Ribeiro e que serve de base à criação simbólica da sua obra literária mistura-se com a “parte da meseta castelhana que entra por Portugal dentro”. Este seu amparo tonaliza uma grande parte da sua obra literária em torno da Beira Alta, sua geografia sentimental.

Mas a sua projecção literária não se confina ao centro gravítico das Terras do Demo. A sua verve literária discorre pelas assombrosas terras de bosque e dunas quando arejado pelos ventos da contemporaneidade e dum cepticismo benevolente, em 1932, na sua “Batalha Sem Fim” descobre o mar e nos pinta um quadro sobre a paisagem dos pescadores da “triste praia de Pedrógão”

Ou, quando se apaixona pela formosura da capela de Nossa Senhora do Amparo, em Romarigães, levando-o a ampliar o atlas da sua geografia emocional.

Nos cenários urbanos torna-se revolucionário por natureza e acção (Maria Alzira Seixo, 1985) e desperta para um mundo admirável vivendo-o intensamente.

Nos exílios parisienses cartografa a geografia do afecto de uma forma intensa e radiosa, dando destaque ao pronunciamento das suas paixões ocasionais e, particularmente, aos dois amores que marcaram a sua vida e a quem dedicou das mais belas paisagens da sua oficina literária.

A sua vida renasce a cada leitura que realizamos das suas obras. Um cortejo de recursos duradouros que povoa as suas paisagens literárias e que continuam a discorrer livres e ávidas de serem seduzidas e de nos seduzirem. Nasceu para nunca mais morrer!»

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here