Crescer e aprender

0
348
António Fernandes Silva

Por: António Fernandes Silva

O crescimento humano é uma aprendizagem continuada. Parece que, seja qual for a idade, não saímos do espaço da escola, onde há sempre coisas novas para aprender.

Esse espaço tanto pode ser o recreio largo, onde praticamos habilidades e perícias, à vista de toda a gente, como uma franja mais escondida, específica para o desenvolvimento de artes paralelas, que escapam ao livre entendimento, acordo e controle das regras de convivência.

Começa a ficar por aí, esfarrapada, a nossa liberdade de poder crescer num mundo sem fronteiras. Começa a germinar, nesse canto, de forma lenta e progressiva, o nosso voto de exclusão e marginalidade.

Até podemos ser alunos brilhantes, os melhores da turna.

Até nos ligamos à mais fina flor do sucesso de estudantes aplicados.

Sentimos o acompanhamento e apoio dos pais e estruturas escolares.

Basta um momento de distracção, uma noite de euforia para deitar tudo a perder.

Bem sabemos que não é por falta de polícias ou de sinais na estrada que acontecem os acidentes. E a vida é uma viagem, com diferentes ritmos e variações, em que o condutor manifesta as próprias aptidões de humor e resistência, de atenção e ligeireza, de cuidado e descontração, de gentileza e estupidez, de domínio ou de má educação e prepotência.

Diz um provérbio africano que “viajar é aprender”.

Não é só o confronto com outras realidades e paisagens que nos enriquece o baú de viagens.

É também a aceitação de outros usos e culturas, de gente que vive e pensa de forma diferente.

É nesta troca de vidas e experiências que vamos crescendo e alargando horizontes.

Para viajar, para aprender, para crescer não há idades nem lugares específicos. Todos são bons

Os sábios e filósofos das antigas civilizações transmitiam o conhecimento percorrendo as ruas e praças da cidade, de forma gratuita, espevitando a curiosidade, espicaçando a vontade de crescer e correr mundo, provocando a fome de cultura e o abraço do desconhecido.

Porque a imaginação e a fome de saber nunca tiveram limites nem fronteiras.

Foi esta curiosidade que atirou o homem primitivo para fora das cavernas e o lançou ao mar.

É esta chama que continua a fazer cruzar o céu e os mares, numa ânsia incontida de conhecer “todas as coisas”: os segredos e mistérios, a profundidade dos mares, o universo sem fim.

E parece que nunca ficamos satisfeitos. E parece que haverá sempre perguntas sem resposta.

Há também o outro lado da janela que nos mostra o mundo inteiro sem necessidade de dar um passo. O céu e as estrelas cabem-nos inteirinhos na palma da mão. Podemos brincar com eles, trocar-lhes as voltas, descarregar as nossas birras como se fossemos donos de tudo. Chegamos a dar-lhes ordens para que se acendam ou apaguem à hora que entendermos.

Chegamos a querer mudá-los de sítio, apenas porque não obedecem a estes devaneios.

Não percebemos que estamos sozinhos, a falar para as paredes, numa geração de conflitos e guerras interiores, capaz de calar pelas armas a voz da liberdade de aprender a crescer.

Parece que todos os tiranos da história humana sabiam tudo menos viver em sociedade.

Assim, recrutaram exércitos. Assim, teceram o seu casulo, acabando odiados por todos, num castelo de ilusão, onde mais ninguém vivia nem entrava. Restou-lhes a morte e o veneno.

Os tiques desses tiranetes cultivam-se e repetem-se com estas fugas para a frente, a crescer na solidão e no medo, nos truques e trocas de favores, nas rodas fechadas, onde só entra e dança quem calçar os sapatos da cor e do feitio que o chefe gosta de ver no castelo.

Contratar gente para bater palmas, voltar às antigas conversas em família, em discursos de fala mansa, enquanto a chuva fustiga os pobres e desalojados; deixar que o tempo remova pelo cansaço as dificuldades crescentes de quem perdeu a esperança não ajuda a crescer.

As migalhas espalhadas à toa não ensinam a escolher caminhos nem a juntar a passarada.

A encruzilhada do tempo obriga a cultivar as melhores formas de aprender uns com os outros sem perder tempo em conversas adiadas ou repetição de cópias esgotadas.

De braços cruzados, à espera que chova, não crescemos nem aprendemos.

A esperança não pode morrer congelada.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.