Entrevista a Carlos Santos* | Ferreirim – Sernancelhe e Penalva do Castelo de mãos dadas na música

0
436
Carlos Santos - Presidente do Conservatório Regional de Música de Ferreirim - Sernancelhe

Como todos sabem a “Casa da Música”, é um ícone da cidade do Porto e uma das maiores salas de espectáculos de Portugal. Aí, no grande auditório, com uma capacidade de 1.238 lugares, irão actuar os músicos formados no Conservatório Regional de Ferreirim, Sernancelhe e do seu pólo em Penalva do Castelo.

Será às 16H00 do dia 22 de Abril e, os presidentes dos dois Concelhos, Carlos Silva Santiago e Francisco Carvalho, convidam-no a estar presente.

O presidente do Conservatório Regional de Ferreirim é Carlos Santos, também vice-presidente da CMS. Esta instituição tem com director pedagógico, Artur Costa.

O Rua Direita foi ouvi-los…

Carlos Santos e Artur Costa.

AC: O CMRF foi criado no ano lectivo de 2015/16 e conta neste momento com 122 alunos do concelho de Sernancelhe e do pólo instalado em Penalva do Castelo. Estes alunos inserem-se no Plano Educativo dos Agrupamentos de Sernancelhe e de Penalva do Castelo.

“estes municípios [Sernancelhe e Penalva do Castelo] têm ligação e tradição musical com a Banda Musical e Recreativa local, com dois séculos de existência.”

RD: Porquê um pólo em Penalva do Castelo?

CS: Por duas razões. Primeira, estes municípios têm ligação e tradição musical com a Banda Musical e Recreativa local, com dois séculos de existência. Segunda: trata-se de uma intermunicipalidade supra CIM, pois Sernancelhe integra a CIM Douro e Penalva do Castelo a CIM Viseu Dão Lafões. Contudo, o interesse comum pela música consegue ser metaterritorial, dando respostas a anseios e lacunas existentes, para 60+60 alunos, das faixas etárias dos 7 aos 25 anos.

RD: Que instrumentos aprendem a tocar?

CS: Todos os de sopro. Cordas na secção dos violinos. Teclas e percussão.

RD: Qual o porquê da criação de um Conservatório de Música numa aldeia, neste caso concreto, em Ferreirim?

CS: Foi possível por desideratos vários, mas essencialmente, para potenciar a Associação existente – Banda Musical 81 – e por se ter conseguido o reconhecimento de Utilidade Pública, o que permitiu que o ME concedesse o alvará de reconhecimento pedagógico. Na região Norte, senão em todo o país, é um caso de pioneirismo que serve e está posto ao serviço da comunidade, visando a educação complementar de crianças e jovens, propiciando alternativas construtivas ao currículo escolar, assim como igualdade de oportunidades proporcionadas pelos grandes centros urbanos e, neste caso, comunidades rurais, esbatendo assimetrias culturais entre o interior e o litoral.

RD: Como se sustenta este projecto?

CS: Neste momento, apenas com o contributo dos municípios referidos, esperando-se que a nova actividade programada para o dia 22 de Abril, na Casa da Música, no Porto, sensibilize as entidades competentes para a mais-valia que representamos e, fundamentalmente, para a mais-valia que trazemos para a sustentada e harmoniosa educação dos jovens das nossas terras.

RD: Se não houver financiamento há crescimento?

CS: Não. É posto em causa o crescimento natural do Conservatório, podendo até ser factor da sua asfixia.

“…no dia 22 de Abril, um domingo, pelas 16H00, cerca de 200 alunos e professores darão um concerto na maior e mais expressiva sala do país, na Casa da Música…”

RD: Como surge a oportunidade deste evento, na prestigiada Casa da Música?

CS: Inicialmente, insere-se na Planificação Anual das Actividades do Conservatório, a qual visa a introdução de um reportório mais exigente, para consolidação das aprendizagens dos discentes. Ademais, visa mostrar que no interior há capacidade e competência para fazer eventos de excepção e de excelência. Por isso, temos fundada esperança de que os responsáveis centrais, sempre atentos, reconheçam o nosso mérito e, daí, nos atribuam financiamento para a manutenção do Conservatório. Assim, no dia 22 de Abril, um domingo, pelas 16H00, cerca de 200 alunos e professores darão um concerto na maior e mais expressiva sala do país, na Casa da Música, cujo nome diz tudo. Contamos consigo e com a sua presença.

Para este evento, as câmaras de Sernancelhe e de Penalva do Castelo oferecem bilhetes de ingresso e transporte de Viseu para o Porto e regresso. A inscrição deve ser feita pelo email: geral@conservatóriodeferreirim.pt.

(*) Gentileza: Rua Direita (texto e fotos)

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.