Maçonaria Feminina vai promover debate em Viseu sobre Ambiente, com presença de Henrique Monteiro

0
585

Henrique Monteiro, jornalista do Expresso, com origens em Viseu, mais concretamente em Vila Nova de Paiva, Isabel Corker, Grã Mestre da Grande Loja Feminina de Portugal  e Helena Freitas, da Universidade de Coimbra, serão os oradores no debate sobre “Ambiente, Futuro ou causa perdida” que terá lugar no próximo dia 20 de janeiro, no Hotel Montebelo, em Viseu, a partir das 15h30m.

Integrado no 20º aniversário da GLFP – Grande Loja Feminina de Portugal, este debate é dinamizado pela loja Estrela D’Alvorada, a loja feminina de Viseu, fundada há cinco anos, em 16 de janeiro de 2013 e que se rege pelo Rito Escocês Antigo e Aceite.

Antes do debate da tarde, terá lugar durante a manhã, a partir das 10h30m, uma sessão solene para assinalar, precisamente, o quinto aniversário da loja de Viseu.

De referir que a GLFP tem, neste momento, 20 lojas em Portugal, tendo a última, a de Vila Real, a loja Alleo, sido fundada no dia 1 de abril de 2017 e datando a primeira, a loja Unidade e Mátria, em Lisboa, de 7 de maio de 1983, esta seguindo o Rito Francês.

Afinal, o que é a Maçonaria Feminina?

Isabel Maria Corker – Grã Mestre da GLFP

Sobre esta questão nada melhor do que ler as palavras de Isabel Maria Corker, a Grã Mestre da Grande Loja Feminina de Portugal, que constam do texto de boas vindas à loja. Porém, antes de responder à questão, propriamente dita, a Grã Mestre fala do grande objetivo da Maçonaria dizendo que “a Maçonaria é uma Ordem iniciática, filantrópica e humanista, que desenvolve o seu trabalho no aperfeiçoamento espiritual dos seus membros, tendo como fim o aperfeiçoamento moral, intelectual e espiritual da Humanidade”.

E de seguida, então, já em resposta, esclarece que a Maçonaria Feminina “é um encontro de mulheres de bem, com forte sentido ético, livres e de bons costumes, que pensam por si, e que nas suas vidas, em todas as suas valências, que vão desde a profissional mais assertiva até à mãe mais carinhosa, são mulheres, inteiras no seu todo, como muitas outras mulheres que não são maçonas”.

Mas a Grã Mestre acrescenta ainda que as mulheres que integram a maçonaria são mulheres que “reservam para si, o direito de serem mulheres, e como tal, de terem a sua própria perspetiva da natureza humana e do mundo, de serem femininas, sem complexos e sem preconceitos”.

Isabel Corker conclui referindo que “afinal, nós somos tudo o que trazemos das nossas vidas, onde está contido o passado, o presente e o sonho do futuro”.

Fotos: GLFP

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.