Vereadores do PS confrontaram Almeida Henriques com estudo do INE sobre poder de compra de Viseu

0
426
(Foto: Jornal do Centro)

Na reunião ordinária da Câmara Municipal de Viseu, realizada hoje, 16 de novembro, os vereadores do Partido Socialista, Lúcia Silva, Pedro Antunes e José Pedro Gomes, “apresentaram e questionaram o executivo camarário relativamente a um estudo sobre o poder de compra nos concelhos portugueses, recentemente publicado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE)”, referem o vereadores do PS, em comunicado.

“A análise realizada pelo INE é caracterizada pela robustez dos seus índices, com informação vasta em termos de caracterização do território e que permite avaliar os municípios no contexto nacional e regional relativamente ao poder de compra da sua população e a outros fatores afins em 2015”, sublinham os socialistas, dizendo ainda que “no referido estudo é patente que o concelho de Viseu vê a sua posição piorar de 2013 a 2015, estando o poder de compra de Viseu a divergir face à média nacional”.

Os vereadores do PS referem ainda que “o concelho de Viseu é aquele que apresenta o pior indicador do poder de compra per capita de todas as capitais de distrito da região Centro: abaixo da Guarda, de Castelo Branco, de Leiria, de Aveiro e de Coimbra” e que “o concelho de Viseu apresenta o pior indicador do poder de compra per capita de todas as capitais do interior: abaixo de Bragança, Vila Real, Santarém, Portalegre, Beja e Évora. Nas capitais de distrito, apenas em Viana do Castelo este indicador apresenta um valor inferior a Viseu”.

De referir que estes dados foram trazidos a público pelo Dão e Demo em artigo publicado a 12 de novembro.

Para os socialistas “o turismo vê os seus valores perder peso entre 2013 e 2015, havendo uma diminuição relativa face ao todo nacional, podendo-se inferir que houve uma diminuição da atividade turística”, acrescentando que “a par da diminuição da população, da perda de posição de Viseu que se vem constando nos rankings dos municípios e do maior investimento empresarial per capita em cidade da sua escala e em municípios vizinhos industrializados – este estudo vem evidenciar a ausência de forças motrizes económicas criadora de riqueza, que garantam qualidade de vida socialmente sustentável, sim, mas que mudem também o paradigma económico-empresarial de Viseu”.

Finalmente referem que “a dita “estratégia” Viseu Primeiro parece não estar a colher frutos, estando a faltar uma governação com uma estratégia de desenvolvimento para o Concelho, assumindo a cidade de Viseu o seu papel de liderança na região, mas sempre em diálogo construtivo com os municípios que a compõem, porque o desenvolvimento e o sucesso de Viseu será também o melhor para todos os concelhos da região”.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.