Bicha do pinheiro pode afetar pessoas e animais: saiba o que fazer em caso de contacto.

0
1761
(Foto: Dão e Demo)

Bicha do pinheiro, lagarta do pinheiro, ou bicha da quaresma, são tudo nomes para o mesmo inseto, para a processionária do pinheiro (Thaumetopoea pityocampa Schiff.) que ataca em força as carumas dos pinheiros e nesta época do ano começa a descer das árvores para se enterrar provocando problemas a pessoas e animais.

Estamos, pois, perante um “inseto desfolhador, que pode parasitar todas as espécies dos genus Pinus e Cedrus”, segundo se pode ler na publicação do ICNF que tem a ver com o diagnóstico e com os meios de controlo da processionária do pinheiro.

Na nossa região, no Dão e Demo, e em todas as regiões onde abunda o pinhal, os ataques da “bicha do pinheiro” acontecem anualmente, nesta época, variando de intensidade “consoante o nível populacional, o qual é fortemente influenciado pela temperatura e insolação, pelo conjunto de inimigos naturais (insetos parasitoides, fungos, bactérias, vírus e pássaros) ativos em cada estádio aéreo ou subterrâneo da praga e pela qualidade e quantidade de alimento, da qual depende a fecundidade das fêmeas”.

Processionárias ou bichas do pinheiro.

Mas para além do prejuízo que a processionária causa aos pinheiros, embora raramente sequem, desfolhando-os e diminuindo, assim, em muito o seu crescimento e a consequente produção lenhosa, as consequências deste inseto são sobretudo de saúde pública, sendo tóxicas quando se efetua um contacto com as lagartas que, normalmente “no fim do Inverno e durante a Primavera interrompem a alimentação por 1 a 3 dias, após o que iniciam a conhecida “procissão”, encabeçada por uma fêmea, descendo para o solo, onde começam a escavar, ainda agrupadas”, enterrando-se a uma profundidade “entre 5 a 20 cm, onde cada lagarta tece um casulo, transformando-se em pupa ou crisálida”.

É sobretudo durante esta fase, em que a lagarta, com pelos urticantes, desce do pinheiro para se enterrar que o contacto com pessoas e animais é mais comum. E é aqui que podem surgir consequências a nível de inchaço, irritação da pele e até dificuldades respiratórias. Quanto aos animais, nomeadamente cães, o contacto com a processionária pode, inclusivamente, provocar a sua morte, segundo a Direção Geral de Saúde.

Onde vivem as lagartas?

As lagartas do pinheiro vivem nos pinheiros, sobretudo os mais novos, em ninhos provisórios que estas vão abandonando até à formação de um ninho definitivo, designado de ninho de inverno, para se poderem proteger das baixas temperaturas. Estes ninhos são facilmente identificáveis, assemelham-se a novelos de seda, existentes na ponta dos ramos dos pinheiros.

Mas os perigos, como referimos, acontecem sobretudo quando, na primavera, as lagartas descem dos seus ninhos para se enterrarem e darem origem a um novo ciclo.

O que fazer em caso de contacto com a lagarta do pinheiro?

São vários os sintomas do contacto com os pelos urticantes da lagarta do pinheiro. Desde irritação ocular, cutânea, ardores, pruridos até inchaços.

Mas, face às características tóxicas, o melhor é mesmo contactar uma unidade de saúde ou um profissional de saúde.

Não se automedique. Se quiser aliviar os sintomas, pode lavar ou passar água na zona afetada.

Se a sua roupa tiver entrado em contacto com a processionária terá que a lavar a alta temperatura, pelo menos 60 graus Celsius, caso contrário corre o risco de se manter a possibilidade de novo contágio.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.