Carlos Paião morreu há 30 anos | Vinha a caminho das festas de Penalva do Castelo.

0
7198
(Foto: Luís Vasconcelos/CM, in: Sábado)

Cumprem-se no dia 26 de agosto 30 anos sobre a morte de Carlos Paião, NUM ACIDENTE NA EN 1, quando vinha a caminho das festas de Penalva do Castelo.

Corria o ano de 1988. Mês de agosto. Mês de todas as festas em todos os lugares. Mês de grande azáfama, potenciada pelos emigrantes que se deslocavam anualmente à sua terra natal, como, afinal, ainda agora fazem. Era sexta-feira, não 13 mas 26 de agosto, dia após o terrível incêndio do Chiado, em Lisboa.

Carlos Paião, o médico, sobretudo o cantor e compositor, vinha por aí acima. Rumava às festas de Penalva do Castelo onde nessa noite iria efetuar mais um concerto, dos muitos que já carregava no currículo. Em agosto era sempre assim, era mês de concertos quase diários por todo o país e Carlos Paião era dos artistas mais solicitados por terras de Portugal, de lés a lés.

Porém, na nacional 1, nas imediações de Rio Maior, o sonho de um dos maiores compositores e letristas portugueses e também intérprete, encontrou a morte, de frente, num camião que seguia em sentido contrário.

Jorge Esteves, o condutor da viatura Datsun Urvan, que sobreviveu ao acidente, contou à revista Sábado, em 2017, que os seus dois colegas, ambos declarados mortos no local, iam a dormir e que ele de nada se lembra a não ser que “estava sentado no alcatrão, a acordar, com um monte de pernas à minha volta”, tendo sido transportado para o hospital com graves ferimentos.

Jorge Esteves soube da morte dos seus companheiros de viagem bem depois.

Em Penalva do Castelo, onde no próximo fim de semana vão ter lugar as festas do concelho, de 2018, festas em torno de São Genésio, que se comemora a 25 de julho, Carlos Paião ainda hoje é recordado.

Não há ninguém, acima dos 50 anos, das muitas pessoas com quem contactámos, que não se recorde desse dia. E lembram-se com tristeza dessa fatídica sexta-feira.

Nessa noite, em 1988, o palco em Penalva do Castelo, esse, ficou vazio. Carlos Paião que ali haveria de subir para interpretar as suas inúmeras cantigas (Playback, Pó de arroz, Cinderela, Vinho do Porto, Os namorados..) que faziam parte do seu reportório, havia partido para outro palco.

LEIA TAMBÉM:

Marque na sua agenda: Festas de Penalva do Castelo 2018 | 24, 25 e 26 de agosto.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.