De Marraquexe a Agadir com amor

0
119
Inês Pina: Colaboradora Dão e Demo

Por: Inês Pina

Terminava setembro. Um mês particular, soa sempre a renovação de promessas, de objetivos e de metas. Estava um calor abrasador. As cores eram novas. O rosa velho coloria todas as fachadas e os táxis amarelos ponteavam as estradas caóticas.

Nas ruas os ruídos dos motores, e de um amontoado de línguas, inglês, espanhol, francês, árabe! Os locais abordavam-nos com cumprimentos em todas estas línguas para ver qual nos causava impacto. O ímpeto era vender-nos um serviço a “good price”.

Estávamos ainda a absorver tudo isto, quando fomos invadidos pelos fortes cheiros de uma terra intensa em todos os sentidos!

Chegamos ao hotel. Inicialmente o propósito seria ficar num Riad, mas cancelaram-nos a reserva uns dias antes, enviaram mail que dava conta que este não reunia condições para nos receber. Alugamos um conceito mais europeu. No entanto com traços bem típicos! Azulejos e tapetes coloridos, o rendilhado cobre de imediato o olhar.

Pousadas as malas, estava na hora de partir à descoberta. Sabíamos os pontos que queríamos visitar. Imperava começar a marca-los no mapa. Marraquexe tem uma espécie de divisão. A cidade velha e a cidade nova.

A cidade nova tem lojas e restaurantes que todos nós conhecemos. É lá que encontram o MC e lojas de roupa europeia. Toda esta zona da cidade é ponteada pelos traços típicos, as cores, os cheiros não enganam: Estamos em Marraquexe!

Marraquexe envolvemos na sua confusão. Passamos a relaxar-nos com a agitação das ruas, com os cheiros, com a envolvência. Surpreendemo-nos pela sua abertura. Estão focados em receber turistas e em rentabiliza-los. Todavia esta massificação de turismo, deixa a cidade mais aberta. A juventude já bebe outras influências e isso sente-se ao virar da esquina

Onde nos perder?

Na zona mais tradicional da cidade. Lá vemos a construção original, onde as janelas não estão voltadas para o exterior, apenas para o interior. Os interiores têm os característicos jardins e terraços que marcam a zona de convívio.

Marraquexe é para se sentir, por isso as caminhadas fazem parte. Há que levar um par de ténis e a camara fotográfica, porque cada canto tem o seu encanto. Ah, e a cada esquina há uma porta maravilhosa para fotografar.

A não perder:

– O jardim da Koutoubia é uma mesquita imponente que nos guia! Por ser o ponto mais alto, serve de referência à localização. Por ali há muitos turistas, muitos vendedores e muitos locais. Os jardins são maravilhosos. Muito verde, que contrasta com as cores neutras dos edifícios. Bem cuidados e bem tratados. Só enaltecem a cidade.

Praça Jemaa-el fna. Estão a ver aquele momento de realização no cinema, onde alguém está parado, mas tudo à sua volta mexe a uma velocidade alucinante? É exatamente assim. Tão vibrante, tão intenso. Apreciar a confusão faz todo o sentido ali. Percam-se nos mercados e nos regateios. O pôr do sol na praça visto de um rooftop enquanto se janta uma tagine é obrigatório.

Jardin Majorelle aquele oásis. Outra dimensão. Depois de uma longa caminhada nada como sentir o verde, o cuidado e o bom gosto do jardim. Mergulhamos noutra dimensão, os catos são enormes, os lagos de um azul pacificador de almas.

Segue-se mais uma viagem, desta vez dentro da cidade.

Viajar de Marraquexe para Agadir, é como que esventrar Marrocos. Há a hipótese de ir de avião, para além de mais cara, acho que se perde uma boa oportunidade: a paisagem! Uma terra árida e vermelha ponteada pelo verde das plantas que sobrevivem estoicamente ao calor tórrido. No meio da paisagem, saltam à vista aldeamento com construções típicas. Quase que fazemos uma introspeção sobre o significado da vida. Ao longo do percurso vemos muitos rostos isolados, sentados à sombra de uma árvore que olham o horizonte, com aquele ar de quem não tem pressa.

Cada palmo percorrido, mostra uma geografia única. Que nos transporta para a nossa pequenez.

Chegar a Agadir é sentir uma cidade costeira, como qualquer outra da Europa. Com pinceladas típicas. Esta modernização que se sente vem da década de 60. Na década de 60 deu-se um terramoto que atirou a cidade ao chão. A intensidade do abalo foi apenas de 5,7 na escala de Richter, mas, a cidade situa-se precisamente sobre a falha geológica e no epicentro do sismo. A maioria dos seus edifícios eram velhos e frágeis, a destruição foi quase total. Na Kasbah e nos bairros centrais de Yachech e Founti não ficou nada de pé. Mais de 15 mil pessoas morreram e muitas ficaram feridas e desalojadas. Foi o mais mortífero terramoto da história de Marrocos.

O mar é quente, a areia Escura e o tempo delicioso. Cumpre os requisitos para banhos de sol e passeios à beira mar. Depois, da agitação de Marraquexe sabe muito bem e recomenda-se.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.