GRUPO FTD, com sede em Vila Nova de Paiva: Produz fumeiro e carnes que exporta para todo o mundo

0
2821
Diogo Cardoso, CEO do Grupo FTD

Foi nos três talhos onde se vendia algum fumeiro que tudo começou. Depois foi a constituição da sociedade comercial “Fumeiros Terras do Demo”, uma sociedade de raiz familiar que envolveu pais e filhos e que se dedicou ao fabrico e comercialização de enchido com características tradicionais.

E se a ideia germinou no concelho de Vila Nova de Paiva, foi também ali que ela se radicou e é, pois, no aquiliniano município de Barrelas, que ainda hoje esta empresa tem a sua sede.

De referiri que o ano marcante foi o de 2001. Ano em que o negócio se começou a estruturar com a construção de uma unidade fabril, evoluindo para grupo económico depois da aquisição da empresa “Fumados Douro” em Armamar, no início do ano anterior.

E hoje o que temos? Um grupo económico sólido, na área dos fumeiros, charcutaria, carnes frescas e congelados. Trata-se do Grupo FTD Alimentação, que é o resultado da fusão entre os Fumados Douro e os Fumeiros Terras do Demo. É um grupo de dimensão socioeconómica muito relevante, já com “cem colaboradores” ao seu serviço e com uma faturação que, em 2017, ascendeu aos 10 milhões de euros.

Unidade industrial de Armamar (Fumados Douro)

Quem falou com Dão e Demo e nos detalhou esta empresa e toda a sua evolução foi o CEO do grupo FTD, Diogo Cardoso.

 

Dão e Demo – Se recuarmos no tempo, onde vamos encontrar a origem da empresa?

Diogo Cardoso – Tudo começou em Alhais concelho de Vila Nova de Paiva e nos três talhos dos meus pais. Entretanto, em 2001, decidimos construir a unidade fabril na zona Industrial de Vila Nova de Paiva para fazer produtos tradicionais da nossa terra que vendíamos na nossa rede de talhos e com o objetivo de, igualmente, vender para a grande distribuição e para alguns armazenistas. Através do SISAB (Salão Internacional do Sector Alimentar e Bebidas), também começámos a exportar alguns destes produtos. Aliás, deixe-me referir, que já vamos ao SISAB há cerca de sete anos e foi aí que demos os primeiros passos na exportação.

“Neste momento temos uma presença em todo o país e em alguns países da União Europeia, no designado mercado da saudade, mas também exportamos para a América e países da CPLP”

D.D. – Já que fala de exportação, diga-nos para que países exportam os produtos que comercializam?

D.C. – Neste momento temos uma presença em todo o país e em alguns países da União Europeia, no designado mercado da saudade, mas também exportamos para a América e países da CPLP. Os países são os seguintes: França, Reino Unido, Luxemburgo, Bélgica, Suíça, Alemanha, Holanda, Estados-Unidos, Timor-Leste, Angola.

Unidade industrial de Vila Nova de Paiva (Fumeiros Terras do Demo)

D.D. – Não referem na vossa página eletrónica o mercado espanhol, aqui tão próximo. Não exportam para Espanha?

D.C. – De facto não era um mercado importante para nós. Mas agora, com a aquisição da nossa nova unidade industrial, sim, começámos a vender carnes frescas e congeladas, mas este mercado ainda tem uma pequena expressão, pois Espanha, a nível de charcutaria é muito nacionalista e defende muito os seus produtos.

D.D. – Falou da presença no SISAB em anos anteriores. Quer dizer, então, que este ano de 2018, vão continuar a marcar presença, agora já como Grupo FTD?

D.C. – Sim, este ano vamos, novamente, marcar presença no SISAB 2018, e já como GRUPO FTD.

“Este grupo é o resultado da união de duas empresas e de duas marcas, por um lado aquela que foi a nossa origem, os Fumeiros Terras do Demo, e por outro lado a Fumados Douro”

D.D. – Como surgiu o grupo FTD?

D.C. – Este grupo é o resultado da união de duas empresas e de duas marcas, por um lado aquela que foi a nossa origem, os Fumeiros Terras do Demo, e por outro lado a Fumados Douro, a empresa que adquirimos no ano anterior, no início de 2017 e que nos permitiu ter uma gama diferente de produtos para além do fumeiro.

Enchidos produzidos pelo Grupo FTD

D.D. – Quais as marcas que têm no mercado?

D.C. – Para além das duas marcas Fumeiros Terras do Demo e Fumados Douro, que resultam das duas empresas que unimos, temos também a marca Enchidos de Lamego.

D.D. – Como está estruturado, em termos de produto, o Grupo FTD?

D.C. – O Grupo FTD, neste momento, encontra se estruturado com várias apostas e com vários segmentos de produtos. Temos desde carnes frescas, carnes congeladas, fumeiros tradicionais até carnes curadas (presunto, cachaço e lombo) e também carnes cozidas (fiambres) e fatiados. E isto prende-se com o facto de querermos ter um portefólio que signifique uma forte aposta para atingirmos o mercado da grande distribuição em todas as famílias de produtos. Mas também sempre estivemos e queremos continuar a estar no comércio tradicional. Aí, com entrega de logística própria, do Norte até Coimbra, em todas as cidades e acrescentar o canal Horeca, que de momento não tem ainda grande expressão nas nossas vendas.

“este ano, vamos já aproveitar o salão internacional do setor alimentar e bebidas, o SISAB 2018, para mostrar toda a nossa nova gama de produtos, e, a partir daí, diversificar e aumentar as exportações”

D.D. – Quais os principais produtos que exportam?

D.C. – Neste momento o nosso mercado ainda nos vê como uma empresa de produtos tradicionais, sendo portanto, de momento, esses os principais produtos que estamos a vender, fumeiros tradicionais. Porém, este ano, vamos já aproveitar o salão internacional do setor alimentar e bebidas, o SISAB 2018, para mostrar toda a nossa nova gama de produtos, e, a partir daí, diversificar e aumentar as exportações.

D.D. – E em Portugal, quais são os produtos que mais comercializam?

D.C. – Em Portugal, em minha opinião, nos últimos anos os hábitos alimentares sobre os fumeiros tradicionais estão a mudar, ou seja, tendo havido alguma redução do consumo por estes produto. E foi esse também um dos motivos que nos levou à aquisição da nova unidade industrial, de Armamar, a Fumados Douro, uma nova aposta para que consigamos crescer, diversificando os produtos comercializados.

D.D. – Têm alguma estratégia para captar as novas gerações para o consumo dos vossos produtos?

D.C. – Neste momento a nova geração está mais habituada á linha de laminados, resposta que a nossa empresa em 2018 vão, igualmente, passar a dar e, por essa via, começar a chegar também a essas faixas etárias mais jovens, começar a chegar às novas gerações.

Carne fresca

D.D. – Onde adquirem as carnes que estão na origem dos vossos produtos?

As carnes são adquiridas 50% no mercado nacional e 50% no mercado de Espanha uma vez que não conseguimos obter mais quantidade de carnes no nosso mercado.

“Neste momento, somos um grupo relevante no nosso setor e com responsabilidade social e económica na região. Os cerca de 100 postos de trabalho e a faturação de 10 milhões de euros, em 2017, são provsa disso”

D.D – Qual o impacto do grupo FTD na economia da região?

D.C. – Neste momento, somos um grupo relevante no nosso setor e com responsabilidade social e económica na região. Os cerca de 100 postos de trabalho e a faturação de 10 milhões de euros, em 2017, são prova disso mesmo, mas o nosso objetivo é continuar a crescer e continuar a dar nome e dimensão económica ao nosso interior, que bem precisa. Está claro que este sucesso e este nível de implantação no mercado é, essencialmente, devido, desde o início, ao empenhamento de todos os nossos colaboradores, sem qualquer exceção.

D.D. – Muito obrigado.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.