Lembra-se da “mítica” discoteca The Day After? O Expresso recorda-a.

0
2065
(Foto: centrodeportugal.blogspot.com)

Na nossa coluna DITO NAS REDES de hoje trazemos-lhe um artigo que o Expresso publicou neste domingo, dia 20 de janeiro, no seu site sob o título “Lembra-se da “mítica” The Day After? As discotecas dos anos 80, onde se dançava até de manhã”.

É esta peça, assinada pela LUSA, a que o Expresso deu corpo, que hoje lhe trazemos sobre a discoteca de Viseu que fez furor nos anos 80 e 90 do século XX e que marcou indelevelmente uma época.

Eis o teor da notícia publicada pelo EXPRESSO:

Quatro pistas de dança com diferentes estilos musicais, uma pista de karting e a constante passagem de bandas nacionais e internacionais fizeram da The Day After, de Viseu, uma das mais icónicas discotecas dos anos 1980 e 1990.

“Numa noite, chegavam a passar aqui seis a sete mil pessoas. A casa nunca trabalhava abaixo das 3.500/4.000 pessoas por noite”, recordou à agência Lusa José Arimateia, que começou a sua carreira no Grupo Visabeira como Relações Públicas da discoteca.

A The Day After abriu as portas em 1985 e encerrou a sua atividade regular em 2006, mas atualmente ainda anima a noite de Viseu pelo menos duas vezes por ano.

A partir de 2015, a discoteca começou a receber alguns bailes de finalistas das escolas de Viseu. Dois anos depois, começou a fazer reaberturas duas vezes por ano, acolhendo grandes eventos, que reúnem milhares de pessoas.

“O nosso grande objetivo com estas reaberturas é trazer de volta o perfume da The Day After, trazer as grandes memórias das noites que se passaram aqui”, explicou Fernando Daniel Nunes, que está encarregado de organizar estes eventos ao nível de logística e do agenciamento dos artistas.

O primeiro destes eventos ocorreu em dezembro de 2017 e intitulou-se “Uma Noite por Todos”, tendo a totalidade da bilheteira sido entregue a instituições e particulares da região afetados pelos incêndios desse ano.

“Tendo em conta o sucesso que tivemos nessa noite, optámos por abrir esta casa cerca de duas vezes por ano. Voltámos a abrir em julho de 2018 e agora, em dezembro, recebemos ‘The Revenge of the 90’s’, um conceito que anda por todo o país, com a particularidade de termos reaberto, pela primeira vez, a pista de karting”, contou.

Em julho, como foi aberta uma quinta pista no exterior, a discoteca conseguiu reunir sete mil pessoas. Em dezembro, foram 4.600 aquelas que pisaram as pistas para relembrarem os anos 90.

Estes números fazem lembrar as enchentes de outros tempos, com a casa a abarrotar e a servir de ponto de encontro para pessoas de vários pontos do país.

José Arimateia, que atualmente é um dos diretores do Grupo Visabeira, recordou que a discoteca começou por ter apenas uma pista de dança, mas foi evoluindo até ter quatro e também “um kartódromo ‘indoor’, que era uma coisa que mais nenhuma discoteca tinha”.

“Tudo isto proporcionava formas de diversão bastante diferentes. As pessoas tinham géneros musicais diferenciados em cada uma das pistas”, frisou, lembrando também que, durante muitos anos, praticamente todos os meses havia música ao vivo.

Segundo José Arimateia, todas as grandes bandas portuguesas passaram pela The Day After e também algumas internacionais. A pista de karting chegou a ser transformada num grande palco para poder acolher tanta gente.

GNR, Xutos e Pontapés e Delfins foram algumas das bandas portuguesas que protagonizaram momentos marcantes na discoteca de Viseu, contou, sublinhando que o músico Pedro Abrunhosa “teve uma enchente extraordinária que tinha fila que começava quase no início da Avenida da Bélgica”, a cerca de três quilómetros de distância.

“Tivemos aqui concertos absolutamente memoráveis desse ponto de vista e também grupos mais pequenos que nunca tinham tocado para tanta gente”, referiu. (…)

Para continuar a ler o artigo: EXPRESSO

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.